Aguarde...

CECGP

SVT Consultores
CECGP

Sergio Tamer apresenta na Portucalense palestra sobre "A TENSÃO PERMANENTE ENTRE ÉTICA E POLÍTICA"

22 de Novembro de 2016
Compartilhar

Existe uma ética pública separada da ética privada? O que se vê é que o Brasil saltou de um patrimonialismo oligárquico - até recentemente praticado - para ingressar nos tempos nebulosos do aparelhamento das instituições públicas, este promovido sob a ban


  • Imagem

  

 

A TENSÃO PERMANENTE ENTRE ÉTICA E POLÍTICA

Sergio Victor Tamer

Presidente do CECGP

 

 

1.     Quais as relações que concretamente existem entre a ética e a política? Existe uma ética pública separada da ética privada? O que se vê é que o Brasil saltou de um patrimonialismo oligárquico - até recentemente praticado - para ingressar nos tempos nebulosos do aparelhamento das instituições públicas, este promovido sob a bandeira dos mais altos propósitos de Estado.

2.    Filósofos festejados em São Paulo no meio universitário, passaram a admitir a adaptação dos princípios e convicções morais às circunstâncias políticas concretas, sobretudo em casos difíceis que pudessem ocorrer.

3.    Ao analisar o problema da ética e da política, o professor espanhol Eusebio Fernandez Garcia, da Universidade Carlos III, de Madrid (com base nos estudos de José Luis López-Aranguren-Ética y política, 1968), propõe uma “ética das convicções responsáveis”: a “habilidade e a oportunidade política devem se dobrar à ética e ao direito”.

4.    Existem quatro formas de questionar essa conflituosa relação:

(1)          “realismo político”: a moral é um mero idealismo, no sentido pejorativo da palavra. O âmbito do ético é o privado. O moral e o político são incompatíveis e, portanto, “quem desejar atuar na política terá que prescindir da moral”.

(2)         Mantém a impossibilidade de conjugar o ético e o político, mas a diferença em relação ao “realismo político” é que neste caso se escolhe a ética.

(3)          A terceira posição vive essa conflituosa relação de uma maneira "trágica": quem se encontra nela sente ao mesmo tempo a exigência moral e a exigência política, mas não pode satisfazer a ambas. Não pode preferir e tampouco prescindir. É uma impossibilidade insuperável e, portanto, trágica: o homem tem de ser moral, e tem também que ser político e não pode sê-lo conjuntamente. Por esse entendimento a tragedia existe porque não há saída para ele;

(4)          Na quarta concepção a relação entre ética e política é vivida "dramaticamente". Se diferencia das três anteriores pois não parte do pressuposto da “impossibilidade absoluta”, mas de uma “problematicidade constitutiva da relação entre a ética e a política”. Sua característica mais peculiar é a tensão entre a luta pela moral e o compromisso político.

5.    Dessa maneira, das quatro possibilidades de se questionar as conexões entre a ética e a política, a quarta postura é a que parece ter mais possibilidades de nos ser útil no momento de se tentar compreender os fenômenos éticos e políticos e suas relações.

6.    A harmonia total entre a ética e a política, de uma relação não-problemática, somente pode ocorrer a partir de duas situações:

(1)             postulados fundamentalistas (partidários de subordinar a política a uma ética fechada e absoluta) ou,

(2)            totalitários (partidários de subordinar as éticas a uma só política que se considera a única, verdadeira e justa).

7.     Assim colocadas as coisas, a atividade política democrática deve reger-se e se subordinar ao Direito e às leis a fim de que se evite a arbitrariedade do poder político.

8.    Mas não a qualquer Direito, mas a um Direito que tenha valores da tradição liberal, democrática e de direitos humanos, tradição que possibilitou o nascimento do moderno conceito de Estado de Direito (sem esses valores o Estado de Direito seria um mero sistema político autoritário e ditatorial).

9.    E sendo a relação entre ética e política tensa e dramática, uma e outra estão condenadas a compartir “o mais interessante de suas vidas” já que desde a Idade Moderna ocidental nos demos conta de que a moral tem muitas deficiências políticas e a política, por sua vez, também as tem de natureza moral.

10.      Apesar disso, a política deve desenvolver-se dentro da moldura da ética, ainda que não coincidam e nem devem coincidir em uma sociedade pluralista.

11.  O importante é que haja a moralização da política através do Direito e das leis de um Estado de Direito.

12.      Assim, não seria correto eticamente sustentar que existem dois tipos de ética (uma para a política e outra para a vida particular), pois as mínimas normas morais que uma sociedade considera adequadas e válidas o são de maneira igual para todos, sejam cidadãos comuns ou integrantes da alta cúpula governativa.

13. Dessa forma, o “realismo político”, ou a realpolitik que os alemães chamaram em um dado momento histórico de “a política dos interesses práticos” - e que no Brasil muitos juristas e filósofos do direito tentaram justificar e adotar - de forma enviesada -, felizmente está sendo aos poucos colocado para fora do jogo democrático.

 





Listar artigos