Aguarde...

CECGP

SVT Consultores
CECGP

REGRA DAS 5 HORAS: O QUE DEVE SER FEITO PARA VOCÊ ENTRAR, DE FATO, NA ERA DO CONHECIMENTO...

19 de Novembro de 2017
Compartilhar

Por que a pessoa mais rica do mundo, Bill Gates, leu um livro por semana durante sua carreira? E por que ele tirou férias para realizar leituras semanais de duas semanas ao longo de toda a sua carreira?


  • Imagem

 REGRA DAS 5 HORAS: o que deve ser feito para você entrar, de fato, na era do conhecimento...

 

Por que a pessoa mais rica do mundo, Bill Gates, leu um livro por semana durante sua carreira? E por que ele tirou férias para realizar leituras semanais de duas semanas ao longo de toda a sua carreira?

 

Algumas semanas atrás, Michael Simmons, colunista da revista Forbes e da HBR – Harvard Business Review, publicou um artigo sobre a Regra das 5 Horas. O artigo é tão fantástico e reflete exatamente o que nós aqui na Data Science Academy pensamos e praticamos, que decidimos traduzir o artigo na íntegra para você. Leia, reflita, compartilhe e o mais importante: tenha atitude!

“Em toda a minha vida, não conheci pessoas sábias (das mais diversas áreas) que não leram o tempo todo. Nenhuma. Zero.” – Charlie Munger, bilionário e parceiro comercial de Warren Buffett.

Por que a pessoa mais atarefada do mundo, o ex-presidente Barack Obama, lia uma hora por dia no seu escritório?

Por que o melhor investidor da história, Warren Buffett, investiu 80% de seu tempo em ler e pensar ao longo de sua carreira?

Por que a pessoa mais rica do mundo, Bill Gates, leu um livro por semana durante sua carreira? E por que ele tirou férias para realizar leituras semanais de duas semanas ao longo de toda a sua carreira?

Por que as pessoas mais inteligentes e ocupadas do mundo acham uma hora por dia para aprendizado deliberado (a regra de 5 horas), enquanto outros inventam desculpas sobre o quão estão ocupados?

O que eles veem que os outros não?

A resposta é simples: aprender é o melhor investimento que podemos fazer com nosso tempo. Ou como Benjamin Franklin disse: “Um investimento em conhecimento paga os melhores dividendos”.

Esta visão é fundamental para o sucesso em nossa economia do conhecimento e poucas pessoas percebem isso. Felizmente, uma vez que, você compreende o valor do conhecimento, fica muito mais simples obter mais conhecimento. Apenas se dedique a uma aprendizagem constante. Seja um Lifetime Learner.

 

O Conhecimento é a Nova Moeda

“O capital intelectual sempre triunfará sobre o capital financeiro.” – Paul Tudor Jones, empresário bilionário, investidor e filantropo.

Nós gastamos nossas vidas coletando, gastando, ansiando e nos preocupando com o dinheiro – na verdade, quando dizemos que “não temos tempo” para aprender algo novo, é geralmente porque dedicamos febrilmente nosso tempo para ganhar dinheiro. Mas algo está acontecendo agora e isso está mudando a relação entre dinheiro e conhecimento.

Estamos no início de um período de que o renomado futurista Peter Diamandis chama de desmonetização rápida, na qual a tecnologia está renderizando produtos ou serviços antes caros, em algo muito mais barato – ou mesmo gratuito.

Essa desmonetização vai acelerar no futuro. As frotas de veículos autônomos eliminam uma das nossas maiores compras: um carro. A realidade virtual fará experiências caras, como ir a um concerto ou jogar golfe, algo disponível instantaneamente a um custo muito mais baixo. Embora a diferença entre realidade e realidade virtual seja quase incomparável no momento, a taxa de melhora da RV é exponencial.

Enquanto os custos de educação e cuidados de saúde aumentaram, a inovação nesses campos provavelmente levará a uma eventual desmonetização também. Muitas instituições de ensino superior, por exemplo, têm custos legados para suportar múltiplas camadas de hierarquia e para manter seus campus. Novas instituições estão encontrando maneiras de reduzir drasticamente os custos, oferecendo seus serviços exclusivamente online, concentrando-se apenas no treinamento de habilidades em demanda e alto pagamento, ou tendo empregadores que recrutam estudantes que subsidiem o seu custo.

Finalmente, novos dispositivos e tecnologias, como o CRISPR, o XPrize Tricorder, melhores diagnósticos através da inteligência artificial e o custo reduzido do sequenciamento genômico irão revolucionar o sistema de saúde. Essas tecnologias, e outras como elas, reduzirão dramaticamente o custo médio dos cuidados de saúde, concentrando-se na prevenção em vez de curar e gerenciar.

Enquanto bens e serviços estão se tornando desmonetizados, o conhecimento está se tornando cada vez mais valioso

Talvez o melhor exemplo do valor crescente de certas formas de conhecimento seja a indústria automobilística de carros autônomos. Sebastian Thrun, fundador do Google X e da equipe de carros autônomos da Google, dá o exemplo do Uber pagando US $ 700 milhões pela Otto, uma empresa de seis meses com 70 funcionários e da GM gastando US $ 1 bilhão em sua aquisição da Cruise. Ele conclui que, nesta indústria, “a taxa de aquisição de talentos atualmente é de US $ 10 milhões”.

Isso é US $ 10 milhões por trabalhador qualificado e, embora seja o exemplo mais impressionante, não é apenas verdade para habilidades técnicas incrivelmente raras e lucrativas. As pessoas que identificam as habilidades necessárias para futuros empregos – por exemplo, Cientista de Dados, designer de produtos, fisioterapeuta – e que aprendem rapidamente estas habilidades, estão se preparando para vencer.

Aqueles que trabalham longos anos em sua carreira, mas não investem seu tempo para aprender constantemente farão parte do novo grupo “em risco”.

Eles correm o risco de ficar presos no nível inferior da concorrência global e eles correm o risco de perder seus empregos para a automação, assim como ocorreu entre os anos 2000 e 2010, quando os robôs substituíram 85% dos empregos na indústria. Por quê?

As pessoas na parte inferior da escada econômica estão sendo espremidas cada vez mais e recebem cada vez menos, enquanto as que estão no topo têm mais oportunidades e são mais bem pagas do que nunca. A ironia é que o problema não é a falta de emprego. Em vez disso, é a falta de pessoas com as habilidades e conhecimentos adequados para preencher os empregos.

Este artigo captura o paradoxo: “Empregadores em indústrias e regiões reclamam há anos sobre a falta de trabalhadores qualificados, e suas queixas corroboram com os dados de emprego dos EUA. Em julho [2015], o número de postagens de trabalho alcançou seu nível mais alto de sempre, em 5,8 milhões, e a taxa de desemprego foi confortavelmente abaixo da média pós-Segunda Guerra Mundial. Mas, ao mesmo tempo, mais de 17 milhões de americanos estão desempregados,  interessados em encontrar trabalho de tempo parcial, mas aspirando trabalhar em tempo integral”.

Em suma, podemos ver como, em um nível fundamental, o conhecimento está gradualmente se tornando sua própria e importante forma de moeda. Em outras palavras, o conhecimento é a nova moeda. Semelhante ao dinheiro, o conhecimento geralmente serve como meio de troca e de valor.

Mas, ao contrário do dinheiro, quando você usa o conhecimento, você não o perde. Transferir conhecimento em qualquer lugar do mundo é livre e instantâneo. Seu valor é composto ao longo do tempo mais rápido que o dinheiro. Pode ser convertido em muitas coisas, incluindo coisas que o dinheiro não pode comprar, como relacionamentos autênticos e altos níveis de bem-estar subjetivo. Isso ajuda você a atingir seus objetivos de forma mais rápida e melhor. É divertido adquirir conhecimento. Isso faz seu cérebro funcionar melhor. Ele expande seu vocabulário, tornando-se um melhor comunicador. Isso ajuda você a pensar maior e além de suas circunstâncias. Ele coloca a sua vida em perspectiva essencialmente ajudando você a viver muitas vidas em uma vida, através das experiências e sabedoria de outras pessoas.

O ex-presidente Obama explica perfeitamente por que ele estava tão empenhado em ler durante sua Presidência em uma entrevista recente do New York Times: “No momento em que os eventos se movem tão rapidamente e tanta informação é transmitida”, ele disse, a leitura deu-lhe a chance de ocasionalmente “desacelerar e obter perspectiva” e “a habilidade de entrar nos sapatos de outra pessoa”. Essas duas coisas, acrescentou, “foram inestimáveis para mim. Se eles fizeram de mim um presidente melhor, não posso dizer. Mas o que posso dizer é que eles me permitiram manter meu equilíbrio ao longo de oito anos.”

 

As 6 habilidades essenciais para dominar a nova economia do conhecimento

“Os analfabetos do século 21 não serão aqueles que não podem ler e escrever, mas aqueles que não podem aprender, desaprender e reaprender.” – Alvin Toffler.

Então, como aprendemos o conhecimento certo e colhemos os dividendos? Os seis pontos abaixo servem como uma estrutura para ajudá-lo a começar a responder a esta pergunta.

 1- O valor do conhecimento não é estático

Ele muda em função de quão valioso as outras pessoas o consideram e como ele é raro. À medida que as novas tecnologias amadurecem e remodelam as indústrias, muitas vezes há um déficit de pessoas com as habilidades necessárias, o que cria o potencial de alta compensação. Devido à alta compensação, mais pessoas são treinadas rapidamente e a compensação média diminui. Portanto, fique atento e não perca as oportunidades.

 2- Aprenda e mostre esse conhecimento rapidamente

Oportunidade são janelas de natureza temporária. Os indivíduos devem aproveitá-las quando as vêem. Isso significa ser capaz de aprender novas habilidades rapidamente. Depois de ler milhares de livros, descobri que entender e usar modelos mentais é uma das habilidades mais universais que TODOS devem aprender. Ele fornece uma base sólida de conhecimento que se aplica em todos os campos. Então, quando você pular para um novo campo, você terá conhecimento preexistente que poderá usar para aprender mais rápido.

 3- Comunique o valor de suas habilidades aos outros

Pessoas com as mesmas habilidades podem comandar salários e taxas totalmente diferentes com base em quão bem elas são capazes de se comunicar e persuadir os outros. Essa capacidade de convencer os outros de que as habilidades que você possui são valiosas é uma “habilidade multiplicadora”. Muitas pessoas passam anos dominando uma habilidade técnica e praticamente nenhum tempo dominando essa habilidade multiplicadora.

 4- Converta o conhecimento em dinheiro e resultados

Existem muitas maneiras de transformar o conhecimento em valor em sua vida. Alguns exemplos incluem encontrar e obter um emprego que paga bem, obter um aumento, construir um negócio bem sucedido, vender seu conhecimento como consultor e construir sua reputação ao se tornar um líder de pensamento.

 5- Saiba como investir financeiramente em aprender para obter o maior retorno

Cada um de nós precisa encontrar o “portfólio” certo de livros, cursos online e certificados / programas de graduação para nos ajudar a alcançar nossos objetivos dentro do nosso orçamento. Para obter o portfólio certo, precisamos aplicar termos financeiros como retorno sobre investimento, gerenciamento de riscos, taxa de obstáculos, cobertura e diversificação. Adquirir conhecimento é um investimento. Trate-o como tal.

 6- Amplie sua habilidade de aprender a aprender

Assim, aumentamos exponencialmente o valor de cada hora que dedicamos à aprendizagem (nossa taxa de aprendizado). Nossa taxa de aprendizado determina a rapidez com que nossos conhecimentos se acumulam ao longo do tempo. Considere alguém que lê e retém um livro por semana contra alguém que demora 10 dias para ler um livro. Ao longo de um ano, uma diferença de 30%. Você conhece algum outro investimento que dê um retorno de 30% ao ano, garantido e com risco zero?

 Para mudar o nosso foco de ser excessivamente obcecado por dinheiro, para uma busca mais experiente e realista de conhecimento, precisamos parar de pensar que só adquirimos conhecimento dos 5 aos 22 anos e que, então, podemos conseguir um emprego através do resto de nossas vidas se trabalharmos duro. Para sobreviver e prosperar nesta nova era, devemos aprender constantemente.

Trabalhar duro é a abordagem da era industrial para avançar, ...

...e aprender constantemente é o equivalente na economia do conhecimento. Assim como temos doses mínimas recomendadas de vitaminas por dia e minutos de exercícios aeróbicos para manter a saúde física, precisamos ser rigorosos sobre a dose mínima de aprendizado deliberado que manterá nossa saúde econômica. Os efeitos a longo prazo da complacência intelectual são tão insidiosos quanto os efeitos a longo prazo de não exercitar, comer bem ou dormir o suficiente. Não aprender pelo menos 5 horas por semana (a regra de 5 horas) é o tabagismo do século 21 e este artigo é o rótulo de advertência.

 Não seja preguiçoso. Não invente desculpas. Apenas faça.

 “Viva como se você fosse morrer amanhã. Aprenda como se você fosse viver para sempre. “- Mahatma Gandhi.

Antes de sua filha nascer, o empresário bem-sucedido Ben Clarke se concentrou em aprender deliberadamente todos os dias das 6h45 às 8h30 por cinco anos (2.000 horas), mas quando sua filha nasceu, ele decidiu substituir seu tempo de aprendizagem por horas pai/filha. Este é o ponto em que a maioria das pessoas desistiria de seu ritual de aprendizagem.

Em vez de fazer isso, Ben decidiu mudar seu horário de trabalho diário. Ele encurtou o número de horas que ele trabalhava, para manter o seu ritual de aprendizagem. Tenha em mente que Ben supervisiona mais de 200 funcionários em sua empresa, The Shipyard, e está sempre ocupado. Em suas palavras, “Ao trabalhar menos e aprender mais, talvez eu pareça fazer menos em um dia, mas eu obtive dramaticamente mais feito no meu ano e na minha carreira”. Essa não era uma decisão fácil por qualquer meio, mas isso reflete o tipo de decisões difíceis que todos precisamos começar a fazer. Mesmo se você é apenas um funcionário de nível inicial, não há desculpa.

Você pode encontrar pequenos períodos de aprendizagem durante os seus tempos de inatividade (retorno para casa, pausas de almoço, engarrafamentos). Até 15 minutos por dia somará quase 100 horas ao longo de um ano. Tempo e energia não devem ser desculpas. Ao ser uma das poucas pessoas que se levantam para este desafio, você colhe muito mais em recompensa. Nenhum de nós pode se dar ao luxo de não aprender. Aprender não é mais um luxo; é uma necessidade.

Comece hoje seu ritual de aprendizagem com estes três passos

Regra das 5 horas: Se você não está gastando pelo menos 5 horas por semana aprendendo, então, você está sendo irresponsável. As pessoas mais ocupadas e mais bem sucedidas do mundo acham pelo menos uma hora para aprender TODOS OS DIAS. Você também pode! Apenas três etapas são necessárias para criar seu próprio ritual de aprendizagem:

1)           Encontre o tempo para ler e aprender, mesmo se você estiver realmente ocupado e sobrecarregado. Pelo menos 1 hora por dia, 5 vezes por semana.


2) Permaneça consistente ao usar esse tempo “encontrado” sem procrastinar ou cair nas distrações do dia a dia.


3) Aumente os resultados que você recebe de cada hora de aprendizagem aplicando o conhecimento adquirido, o que ajuda você a lembrar e aplicar o que aprendeu.

 Publicado por Data Science Academy





Listar notícias