CECGP

As damas de branco – Presidente Tamer dispara contra ditaduras

Artigo publicado em 23/03/2010 por Sergio Tamer com o tema: As damas de branco Presidente Tamer dispara contra ditaduras ‘, ‘

Cuba vive sob uma ditadura comunista brutal e persistente. O tirano Fidel Castro e o seu irmão Raúl estruturaram um estado policialesco que humilha, oprime e retira a esperança de um povo que não tem acesso aos direitos fundamentais, como o da liberdade de expressão. Os opositores dos irmãos Castro são trancafiados e torturados em masmorras e ali são condenados a penas que variam de 20 a 30 anos.

 

A “revolução comunista” precisa continuar! – esbraveja o ditador… Recentemente o operário negro Orlando Zapata, não suportando mais a tortura e os maus tratos, ofereceu o que lhe restava de vida em protesto pela infame e injusta prisão política. Agora, é o jornalista Guillermo Fariñas quem está pronto para imolar-se. Ao todo, mais de uma centena de presos políticos está há mais de 7 anos sofrendo violações irreparáveis.

 

As mulheres, que também são presas e torturadas, resolveram fazer um protesto silencioso, mas não menos expressivo e corajoso. Vestiram-se de branco e passam os dias a caminhar pelas ruas de Havana chamando a atenção de todos para a crueldade do Estado cubano, um regime caduco e paranóico moldado à imagem de seus dirigentes. São as damas de branco.

 

Já tive a oportunidade de registrar em outro comentário que o regime comunista, a partir de Cuba, revelou ao mundo algumas lições inquestionáveis.

 

A primeira delas surge com grande clareza e reforça a tese sedimentada pela história dos povos de que não há ditadores “bonzinhos”. Todos os ditadores são intrinsecamente maus, tanto no sentido político, quanto na acepção sociológica e moral do termo. A segunda lição é para lembrar que todas as ditaduras, sejam elas “de esquerda” ou “de direita”, não podem ser toleradas, pois são todas execráveis. A terceira lição que podemos tirar de tão longo regime marxista, é a de que a igualdade sem liberdade não conduz à democracia, mas ao despotismo, ou seja, a submissão da maioria à opressão de quem detenha o poder. Fidel Castro e seus camaradas, no entanto, nem igualdade conseguiram dar aos habitantes da Ilha, pois um regime de igualdade pressupõe um mínimo de dignidade e acesso aos bens sociais, hoje inexistentes em Cuba. Por fim, podemos ainda extrair da ditadura cubana a certeza de que só é possível haver democracia política onde houver democracia e liberdade econômica.

 

O Brasil precisa rever a sua equivocada política externa em relação ao Continente e colocar no eixo de suas preocupações internacionais o respeito aos direitos humanos. Nesse campo temos, no plano interno, uma acertada e bem conduzida política promovida pela Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República. E para sermos coerentes, temos que refletir essa política em nossas relações diplomáticas. Afinal, esse é um terreno em que não podemos ter duas caras. Fidel diz que Fariñas é “produto” do governo americano, que o criou para destruir a “imagem” de Cuba. Lula também acredita nisso?

 

Sergio Tamer é presidente do Centro de Estudos Constitucionais e de Gestão Pública – CECGP e doutor em Direito Constitucional pela Universidade de Salamanca.

Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Rolar para cima