CECGP

Bolívia: uma punição com efeito bumerang

Artigo publicado por Sergio Tamer com o tema: Bolívia, uma punição com efeito bumerang

Ao anunciar que a Bolívia nacionalizará as empresas mistas com parceiros multinacionais nas quais seja “comprovado corrupção ou descumprimento de investimentos prometidos” – o presidente boliviano inaugurou, no plano internacional, uma espécie de “punição bumerang” onde o castigo acaba por voltar-se contra o algoz.

 

O governo boliviano deveria cuidar de estabelecer uma legislação que regulasse adequadamente o funcionamento dessas empresas de economia mista, dentro dos padrões internacionais, com as sanções comerciais discutidas no foro judicial, inclusive a aplicação de multas, sem necessidade de chegar ao extremo de nacionalizá-las, medida que tanto prejudica o país quanto o capital produtivo ali investido. É que a decisão anunciada tem o condão de afastar ainda mais o capital estrangeiro de que tanto necessita a Bolívia para crescer e gerar empregos, além de provocar mais instabilidade política e descrédito ao país.

 

A regulação e, eventualmente, a intervenção na economia para evitar distorções no mercado é saudável na medida em que as sanções aplicadas não impliquem na estatização do meio produtivo. Empresas estatais – ausente a competitividade -, já demonstraram no curso da história a sua ineficiência produtiva, ineficiência que sempre está acompanhada dos ônus relacionados com os altos custos de manutenção, de investimentos em equipamentos e matérias prima, tudo nas contas do Estado que via de regra não recebe a contrapartida financeira. Já vimos esse filme, antes, aqui mesmo no Brasil.

 

O que Evo Morales quer, na verdade, é aumentar o controle político do seu governo sobre a pobre sociedade boliviana mediante o uso e controle inadequados da economia do país. O final dessa película também já é conhecido: endividamento do Estado, inflação elevada, instabilidade na economia e, desgraçadamente, mais desemprego.

 

Os arroubos nacionalistas dessa natureza fazem parte de uma retórica socialista atrasada, própria de determinados governos latinoamericanos. É uma encenação trágica, nociva para o próprio povo a quem se dirige e que, infelizmente, se insere no manual político de líderes populistas e demagogos como Evo Morales e Hugo Chaves.

 

Sergio Tamer é presidente do Centro de Estudos Constitucionais e de Gestão Pública – CECGP e doutor em Direito Constitucional pela Universidade de Salamanca.

Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Rolar para cima