CECGP

Homenagem a Raymundo Faoro, por João Batista Ericeira

Raimundo-Faoro-STF

Maior homenagem lhe poderia ser prestada: ampliar ainda mais a participação da sociedade na Constituição para que a legalidade se aproxime mais da legitimidade…

João Batista Ericeira é professor e advogado

Legalidade e Legitimidade são conceitos essenciais para as ciências jurídicas e políticas. Por vezes se conciliam em outras ocasiões se opõem. Raymundo Faoro em “Assembleia Constituinte, a Legitimidade Recuperada”, publicado pela Brasiliense, aborda como os dois interagem na interpretação da Constituição.

 Assinale-se, quando de sua elaboração discutia-se a finalização do regime autoritário e a convocação de Constituinte para elaboração de novo pacto político-jurídico ao país. Faoro presidiu o Conselho Federal da OAB de 1977 a 1979. Na gestão liderou expressivamente a instituição, representativa da sociedade civil, nos diálogos abertos pelo Presidente Ernesto Geisel e Golbery do Couto e Silva, para a concretização da transição, formalizada pela eleição de Tancredo Neves no Colégio Eleitoral. O senador Petrônio Portela era o principal protagonista no Parlamento; e a Conferência Nacional dos Bispos, também pela sociedade civil, nas pessoas de Luciano Mendes de Almeida e Paulo Evaristo Arns, dentre outros prelados da Igreja Católica. Os evangélicos atuaram através de suas organizações.

Qualificou-se o Presidente da OAB como interlocutor respeitado pela retidão, a integridade, e a fidelidade a princípios, como ressaltado por Fábio de Sousa Coutinho no trabalho “Juristas na Academia Brasileira de Letras” publicado nos Anais do Centenário da Faculdade de Direito do Maranhão. Havia consenso quanto à convocação da Assembleia Nacional Constituinte, divergia-se no modo de fazê-la. De um lado os defensores da forma exclusiva, outros, baseados na experiência histórica brasileira, sustentavam que o Congresso eleito no pleito anterior poderia desempenhar as duas funções. Os opositores desta tese ponderavam, a eleição que escolhera os membros do Congresso anterior fora realizada na vigência da legislação autoritária, contemplava ainda a esdrúxula figura do senador biônico. Finalmente prevaleceu a tese favorável ao Congresso Ordinário. O ensaio de Raymundo Faoro foi vital para a superação de vários obstáculos, aferindo os graus de legitimidade a serem atingidos pela futura Constituição, considerando o critério da participação dos grupos da sociedade brasileira.

 Em 1958, o bâtonnier da OAB publicou “Os Donos do Poder”. Adotando a metodologia weberiana, utilizou o tipo sociológico do estamento para compreender o patrimonialismo trazido pelo colonizador português aqui para os trópicos. Nele, não há distinção entre a propriedade privada e a pública. Exemplo típico são as capitanias hereditárias concedidas pelo Rei de Portugal aos seus amigos aptos a povoarem e auferirem bons resultados delas. Depois vieram os governadores-gerais que trouxeram a força armada, os juízes, e os cartórios, símbolos desse modelo.

No livro assim o descreve: “Estado patrimonial, portanto, e não feudal, o de Portugal medievo, com direção pré-traçada, afeiçoada pelo direito romano, bebido na tradição e nas fontes eclesiásticas, renovado com os juristas filhos da Escola de Bolonha”. E completa: “a velha lição de Machiavel, que reconhece dois tipos de principado, o feudal e o patrimonial, visto o último, nas suas relações com o quadro administrativo”.

Explicava assim as vantagens e os privilégios mantidos pelo estamento dos funcionários civis e militares, cartorários, ao longo de gerações, passando pelas formas de Estado e de governo no Brasil, incluindo todas as constituições que os regeram. Implicando consequentemente na questão da igualdade de todos perante as leis, pedra fundamental da democracia. Em todas as constituintes e constituições o problema da democratização perdurou desafiando as suas legitimidades.

Falecido em maio de 2003, Faoro foi homenageado. Puseram o seu nome no edifício-sede do Palácio do Ministério da Justiça em Brasília. Homenagem justa. Ele, mesmo sabendo que a Constituinte não fora exclusiva, viu a sua legitimidade recuperada pela ampla participação da sociedade brasileira em seus trabalhos. Maior homenagem lhe poderia ser prestada: ampliar ainda mais a participação da sociedade na Constituição para que a legalidade se aproxime mais da legitimidade.

Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Rolar para cima