CECGP

Lula e o PNDH-3

Artigo publicado em 04/01/2010 por Sergio Tamer com o tema: Lula e o PNDH-3

Estruturado em seis eixos básicos a partir dos quais são sugeridos objetivos estratégicos, diretrizes e ações programáticas, o Plano Nacional de Direitos Humanos, em sua terceira versão, e que acaba de ser lançado pelo presidente Lula e seus ministros, foi o resultado das resoluções aprovadas na 11ª Conferência Nacional de Direitos Humanos, em dezembro de 2008, bem como de intenso processo participativo desenvolvido nos estados. O Programa também inclui, em sua democrática construção, propostas aprovadas em cerca de 50 conferências nacionais temáticas realizadas desde 2003.

Para o ministro Paulo Vannuchi, da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, realizaram-se, ainda, 137 encontros prévios às etapas estaduais e distrital, denominados Conferências Livres, Regionais, Territoriais, Municipais ou Pré-Conferências. Participaram ativamente do processo cerca de 14 mil pessoas, reunindo membros dos poderes públicos e representantes dos movimentos de mulheres, defensores dos direitos da criança e do adolescente, pessoas com deficiência, negros e quilombolas, militantes da diversidade sexual, pessoas idosas, ambientalistas, sem-terra, sem-teto, indígenas, comunidades de terreiro, ciganos, populações ribeirinhas, entre outros.

 

O momento, agora, é o de colocar em prática tantos e tão importantes programas ali sugeridos pela base do sistema e que se constitui como verdadeira política de Estado.

 

O PNDH-3 está fundamentado, assim, nos seguintes eixos: Interação Democrática entre Estado e Sociedade Civil; Desenvolvimento e Direitos Humanos; Universalizar Direitos em um Contexto de Desigualdades; Segurança Pública, Acesso à Justiça e Combate à Violência; Educação e Cultura em Direitos Humanos e, para completar, o Direito à Memória e à Verdade.

 

A nossa Constituição, que passou a moldar o Estado brasileiro a partir de 1988, impõe aos poderes republicanos o dever de garantir a cidadania e a dignidade da pessoa humana, estabelecendo como objetivo central das ações políticas a construção de uma sociedade livre, justa e solidária e tendo por compromisso o desenvolvimento nacional, a erradicação da pobreza, redução das desigualdades sociais e regionais e a promoção do bem-estar de todos, sem preconceitos ou discriminação.

 

Dessa forma, o Programa tem por desafio tratar de forma integrada as múltiplas dimensões dos Direitos Humanos – e não poderia ser diferente, em face da universalidade, indivisibilidade e interdependência dos direitos. Mas essa carta-compromisso do estado brasileiro com a promoção e garantia dos direitos humanos tem enfrentado sérios obstáculos nos três níveis federados. Foi o próprio presidente Lula quem enumerou, por ocasião do lançamento do Plano Nacional, as áreas mais críticas e que mais assombram a sociedade brasileira. Para começar, citou a violência que ainda mostra índices alarmantes nas grandes cidades e em seguida acrescentou: prostituição infantil; persistência do trabalho escravo e do trabalho infantil; superpopulação e condições degradantes denunciadas nos presídios; práticas de tortura; cultura elitista revelada na resistência aos direitos quilombolas e indígenas, bem como nos ataques sofridos pelas ações afirmativas. A esta lista poderíamos acrescentar outras tantas de igual expressão no que toca às violações de direitos humanos. O que vale dizer: de violação contra normas e princípios constitucionais.

 

Estamos vivenciando, de fato, uma situação absolutamente inaceitável para um país que ostenta marcas significativas de crescimento econômico e de reconhecida projeção no mercado internacional. Não foi por outra razão que o presidente Lula, com sua notória sensibilidade social destacou, no lançamento do PNDH-3, a parceria entre a SEDH e o MEC para priorizar no próximo decênio o Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos, eixo mais estratégico para transformar o Brasil num país onde, de fato, todos assimilem os sentimentos de solidariedade e respeito à pessoa humana.

 

No Maranhão, a governadora Roseana Sarney tem reiterado o seu compromisso de fortalecer as ações, tanto do poder público quanto da sociedade civil, que visem ao enfrentamento das questões mais cruciais no âmbito dos direitos humanos. Também é sua determinação que seja aproximada, cada vez mais, a exitosa parceria entre a SEDH da presidência da República e a SEDIHC, por meio dos projetos ora em execução e de novas ações que serão desenvolvidas em 2010.

 

Mais do que proclamar direitos, temos, agora, que tornar efetivos esses direitos por meio da sua promoção, defesa e garantia. Os direitos humanos não podem ser uma mera promessa constitucional. Nesse sentido, o PNDH-3 nos mostra, com clareza, os caminhos do desenvolvimento e da modernização social, cimentos da cidadania.

 

Sergio Tamer é presidente do Centro de Estudos Constitucionais e de Gestão Pública – CECGP e doutor em Direito Constitucional pela Universidade de Salamanca.

Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Rolar para cima