CECGP

Por dentro da mente de um serial killer: como funciona a escolha do seu alvo

serial killer

“Não matam de forma aleatória, escolhem suas vítimas de acordo com sua vitimologia (característica que lhe apetecem). Traumas sofridos quando jovens, os levam a se vingar da sociedade e das pessoas…”

Paulo Tamer é consultor de segurança, advogado e delegado aposentado com mais de 30 anos de experiência, além de colunista da sua área de atuação.

       
Como sabemos, um assassino em série ou Serial Killer (inglês) é um tipo de criminoso com perfil psicopático, que comete crimes com certa frequência e, com mesmo “modus operandi”, deixa no local do crime sua identidade, o que se chama de assinatura, por agir de forma e maneira idêntica.

Para que se identifique a presença de um serial killer, comumente ocorre só a partir do segundo ou terceiro caso; raramente se identifica um serial killer no primeiro caso.

O  FBI (Federal Bureau of Investigation) tem o entendimento que se identifica um serial killer após o terceiro caso, já a enciclopédia britânica entende que essa identificação ocorre a partir do segundo caso.

Não matam de forma aleatória, escolhem suas vítimas de acordo com sua vitimologia (característica que lhe apetecem). Traumas sofridos quando jovens, os levam a se vingar da sociedade e das pessoas.

Quando buscam suas vítimas entram no mundo imaginário relacionado à época ou ao fato que lhe gerou sofrimento, na infância ou adolescência. Quando na prática do ato, ele revive os traumas e sofrimentos vividos.

Como saem do mundo real para o mundo imaginário, passam a transformar o local de crime em assinatura – identidade – marca registrada.

Para escolha de seu alvo ou vítima, inicialmente mantém com a mesma relação de confiança, o que o faz diferente do homicida de oportunidade, ou seja, seduzem suas vítimas.

Para que se entenda o padrão das vítimas de um serial killer, deve ser considerado que como eles saem do mundo real para o imaginário, buscam nelas algum sinal que lhe retorne ao trauma sofrido na infância ou adolescência, sinal este que pode estar relacionado a seu agressor ou a ele mesmo, pois pode praticar o ato (morte) com raiva dele mesmo por não ter reagido a época. 

Ao reunir na pessoa (vítima) o sinal ou sinais que lhe acionem a necessidade de agir, o serial killer passa a seduzi-la adquirindo a confiança, no aguardo do momento apropriado para prática do seu ato. Uma vez cometido ato, se dão por satisfeitos, deleitados, porém é uma satisfação passageira, pois voltam a sentir necessidade de atacar, assim, passam a uma nova caça de sua próxima vítima.

 

 

 

 

Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Rolar para cima