CECGP

Guerras a Vencer

Artigo publicado por Sergio Tamer com o tema: Guerras a Vencer

GUERRAS A VENCER 

 

O Partido da República completou, no final do ano passado, o seu primeiro ano de existência e já contabiliza, em seu favor, realizações partidárias importantes e que foram oportunamente registradas em nossa página na Internet. O entusiasmo toma conta da militância em todos os municípios do país e o partido prepara-se, este ano, para enfrentar suas primeiras eleições. As primeiras, sublinhem-se, que terão as cores e o símbolo do PR. É grande, portanto, a responsabilidade que todos teremos pela frente.

 

No Congresso Nacional a nossa bancada, uma das mais expressivas no atual quadro partidário brasileiro e que atua sob a liderança do deputado Luciano Castro na Câmara dos Deputados e do senador João Ribeiro no Senado Federal, tem se desdobrado em proposições legislativas as mais diversas, todas de grande significação social, além de desenvolver intensa atividade nas comissões temáticas. Nos estados e municípios a organização partidária avança e as primeiras listas de pré-candidatos a vereador e prefeito começam a ser elaboradas, juntamente com eventos partidários importantes visando a melhor formação política de nossos quadros. O PR terá, assim, em outubro, o seu primeiro grande teste nas urnas, após os passos iniciais que foram dados com desenvoltura e acerto, no cenário nacional.

 

No Ministério dos Transportes o senador Alfredo Nascimento implementa um notável plano viário que permitirá ao país ostentar uma posição inigualável em infra-estrutura de estradas e ferrovias. O governador Blairo Maggi (MT), presidente de honra do PR, que tem dado exemplo eloqüente de extraordinária eficiência administrativa à frente do executivo de seu querido estado, nos mostrou, recentemente, em programa de televisão partidário, os caminhos para o desenvolvimento do Brasil, com equilíbrio e justiça social. O PR é, de fato, um partido que luta pelo desenvolvimento, mas por um desenvolvimento que possibilite a nossa modernização social. Lançamos, assim, as bases para a construção de um país economicamente forte e socialmente mais justo. Indicamos os cinco pontos básicos, estruturantes, capazes de agregar outros valores importantes para a conquista do desenvolvimento e da modernização social. São eles: (1) Municípios fortes; (2) Novas estradas e ferrovias; (3) Imposto único; (4) Preservação da Amazônia; e (5) Escola profissionalizante. Temos falado, nos estados e municípios que visitamos, sobre cada um desses temas que se transformaram, agora, em metas partidárias.

 

Queremos construir – e estamos construindo – uma democracia que possibilite iguais oportunidades para todos e não apenas que privilegie os que já possuem. Vamos, nestas eleições, partilhar nossos sonhos por um país mais desenvolvido, com mais liberdade e mais igualdade social. Vamos partilhar nossos sonhos em busca da cidadania completa, em busca da cidadania autêntica que virá quando conseguirmos a modernização social do Brasil. Não se trata, desta forma, de crescer por crescer. Estamos falando de um conceito desenvolvimentista, com responsabilidade ambiental, que possa dar ao povo brasileiro, ao lado das conquistas já consolidadas no curso da história, um padrão mínimo de dignidade e bem estar social, compatível com a riqueza produzida pelo país. A nossa luta assim se justifica e ela é atual e oportuna. A cidadania política e civil, conquistada com muito sofrimento depois de largo período ditatorial, longe está de corresponder à cidadania social, pois está em ameaçador descompasso com esta. Perde, assim, claramente, a sua eficácia. Um seguro indicador dessa situação está no fato de que os lucros e as vantagens econômicas estão ligados às condições sociais precárias e aos baixos salários, resultando numa combinação inaceitável entre altos rendimentos financeiros nacionais e internacionais com uma pobreza generalizada. Vencer, portanto, as forças negativas da miséria e do subdesenvolvimento é a guerra que se impõe a todos os que têm uma parcela de responsabilidade no contexto social. O PR parte para esse embate munido de propostas concretas, sensibilidade social, experiência administrativa e eficiência comprovada na implantação de políticas públicas. A bandeira do desenvolvimento e da modernização social do Brasil será a bandeira de nossa vitória nestas eleições de 2008. Avante, companheiros!

 

Sergio Tamer é presidente do Centro de Estudos Constitucionais e de Gestão Pública – CECGP e doutor em Direito Constitucional pela Universidade de Salamanca.

Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Rolar para cima