CECGP

Método Kanban: como melhorar seu fluxo de trabalho e ser mais produtivo também na gestão pública

Site CECGP 2

 

 

Aprenda a se organizar e ser mais produtivo no trabalho usando o método Kanban

 

Post-it: o método tem várias aplicações e pode ser adaptado para o digital (Martin Barraud/Getty Images)

 

Entregar trabalho de maneira rápida e eficiente pode ser um desafio. Para isso, o Kanban é uma boa alternativa para ajudar. Afinal, trata-se de um método visual para gerenciar o fluxo de trabalho no nível individual, de equipe e até mesmo organizacional.

Para isso, entre os objetivos da metodologia é identificar potenciais gargalos no processo e corrigi-los para que o trabalho possa fluir. Pronunciado como “kahn-bahn”, o termo é traduzido de seu japonês original para “sinal visual” ou “cartão” – e a seguir, você vai entender o porquê.

O que é Kanban?

Ao contrário de outros métodos de gerenciamento de fluxo de trabalho, que forçam mudanças desde o início, essa metodologia tem por foco a evolução – e não uma revolução.

Tanto é que o primeiro sistema Kanban foi desenvolvido por Taiichi Ohno, engenheiro industrial e empresário, para a Toyota no Japão, em 1940. O intuito era criar um sistema de planejamento simples, a fim de controlar e gerenciar o trabalho e o estoque em todas as fases da produção de forma otimizada.

Com o Kanban, a Toyota alcançou um sistema de controle de produção just-in-time flexível e eficiente, que permitiu o aumento da produtividade enquanto reduzia o estoque de custo intensivo de matérias-primas, materiais semiacabados e produtos acabados.

Como funciona?

Em qualquer lugar que você pesquisar o Kanban, muito provavelmente, irá se deparar com a seguinte imagem: um quadro lotado de post-its separados em colunas. É um método tão simples assim? É. Mas também é preciso entender o seu funcionamento e como usá-lo em sua rotina.

Cada coluna é uma fase do processo, enquanto cada cartão é uma tarefa que flui pelo fluxo. É aqui que acontece a mágica do “Kanban Board”: essa estrutura simples permite que todos verifiquem o andamento de qualquer trabalho. Sendo mais simples mostrar transparência e clareza a toda a equipe.

 Método Kanban

A partir da imagem acima, observe que o quadro Kanban é parte de um sistema maior. Ele visa ajudar na visualização do fluxo de trabalho, mantendo apenas o que precisa ser feito em andamento. E, ao fazer isso, maximizar a eficiência. O quadro representa o projeto como um todo e geralmente é dividido em três partes: to do, doing e done.

Cartões (ou post-its)

Cada cartão Kanban representa uma tarefa individual, devendo ser preenchido com informações relacionadas à tarefa, como identificação e até uma breve descrição. Eles também podem serão atribuídos a membros da equipe, que serão responsáveis ​​pela execução da tarefa dentro do prazo.

Não consegue alcançar suas metas? Estes são seus maiores inimigos

 Colunas

Conforme observado acima, as colunas também são essenciais para o quadro, pois são uma forma de dividir os diferentes estágios do fluxo de trabalho do projeto. Os cartões são organizados sob os títulos das colunas e arrastados para a próxima coluna à direita para indicar onde eles estão no ciclo de produção ou fluxo de trabalho.

Entenda cada uma das colunas:

  • To do: na primeira coluna, são listadas as tarefas que ainda não foram iniciadas – sendo também conhecida como “acúmulo”.
  • Doing: enquanto isso, a segunda consiste nas tarefas que já estão em andamento.
  • Done: por fim, é na última coluna que as tarefas concluídas devem ser alocadas.

Principais práticas do Método Kanban

É claro, a explicação acima sobre os cartões e colunas é bastante simples, mas ajuda a ilustrar a maneira como o Kanban pode ser usado. Embora o modelo tradicional seja composto apenas por três colunas, a metodologia pode ser adaptada conforme a necessidade do usuário. Se um projeto carece de cinco etapas, basta acrescentar as colunas no quadro.

Contudo, embora a adoção dessa metodologia seja a etapa mais importante, existem seis práticas principais que você precisa observar para uma implementação Kanban bem-sucedida.

#1 Visualize e entenda o fluxo de trabalho

A primeira e mais importante tarefa é entender o fluxo de trabalho atual – buscando entender qual é a sequência de etapas a serem executadas para mover um item da solicitação para um produto a ser entregue.

Cada coluna representa uma etapa em seu fluxo de trabalho e cada cartão representa um item de trabalho, que se move pelo fluxo do início ao fim. Ao observar esse processo, você pode rastrear facilmente o progresso e identificar gargalos em tempo real.

#2 Limitar o trabalho em progresso

A perda de foco pode prejudicar seriamente o desempenho de sua equipe. Portanto, essa prática se concentra na eliminação de interrupções, estabelecendo limites para o trabalho em andamento. Ao aplicar limites ao trabalho em progresso, as equipes podem se concentrar em terminar o trabalho pendente antes de iniciar um novo trabalho.

#3 Gerenciar o fluxo

Ao observar e analisar a eficiência do fluxo, você pode identificar quaisquer áreas problemáticas. O principal objetivo da implementação do Kanban é criar um fluxo de trabalho tranquilo, melhorando os prazos de entrega e evitando atrasos. Você deve sempre se esforçar para tornar seu processo mais eficiente.

A  formação de grupos multidisciplinares e autônomos dentro de uma empresa oferece uma alternativa atraente às estruturas burocráticas de comando e controle.

Um dos maiores desafios do processo de transformação que todas as empresas dos mais variados segmentos enfrentam é a capacidade de conceber, desenvolver e entregar novos produtos e serviços com mesma velocidade das mudanças que a solução demanda.

Mas como o método pode se relacionar com a gestão pública?

O sistema público possui muitos entraves, principalmente no âmbito da burocracia em licitações e prazos.

O resultado disso é que muitos gestores não conseguem fazer um planejamento adequado que levaria em conta informações relevantes para a tomada de decisões.

Nesse sentido, empresas de tecnologia estão em constante evolução para oferecer produtos e serviços que visam facilitar procedimentos em diversos órgãos públicos. 

“Utilizamos o Scrum desde 2016 e Kanban desde 2018 e foi vital para fazer frente a todos os desafios, principalmente na entrega de valor ao cliente e na organização do trabalho da equipe, sempre discutindo melhorias de acordo com o feedback”, conta.

No Scrum, os projetos são divididos em ciclos, geralmente quinzenais, chamados de “sprints”, que representam um conjunto de tempo fixo onde as atividades serão executadas.

Já no Kanban o objetivo é explicitar o fluxo de trabalho da equipe, visualizar e limitar as atividades em andamento e atuar em cima das filas e gargalos. As principais vantagens dessa metodologia é que ela se encaixa muito bem com o processo atual da equipe e foca em finalizar o trabalho já iniciado, ao invés de puxar ainda mais atividades e tentar fazer várias coisas “ao mesmo tempo”.

Publicado originalmente na Revista Exame

Por Janize Colaço, do portal Na Prática

 

 

 

 

Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Rolar para cima