CECGP

AS CHAMAS DE UMA NAÇÃO

INCÊNDIO MUSEU NACIONAL

Por Ronald de Carvalho, jornalista

A História, às vezes pelo acaso, joga com metáforas para os homens entenderem seus limites.
O fogo no incêndio do Museu Nacional do Rio de Janeiro, que devastou parte da história do Brasil e boa parcela que pertence à humanidade, é um ícone do momento de desgraça que o Brasil vive.

Pessoas, costumes e cultura corrupta do Rio e de toda a Nação foram combustíveis para as labaredas.
Nossa cultura e valores estão tão desprotegidos quanto todas as peças que viraram cinza.

A silhueta de Pedro de Alcântara, o nosso Pedro segundo, é a metáfora que faltava. O fundo laranja do fogo faz cenário para sua estátua.

À luz da fornalha, ficamos sabendo que a República nunca foi feita nessa Terra dos Papagaios. Res, do latim, propriedade, jamais foi realmente pública. O fogo nos mostrou que sempre foi tudo cinzas.

O Brasil são essas assustadoras labaredas que iluminaram o Maracanã e a noite do Rio de Janeiro. Esse fogo de incompetência abrasa o país, às vésperas de uma nova renovação política.

Que a História e seus acasos salvem esse pobre país.

Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Rolar para cima